estudo amplifon
10 Março 2017
Categoria Notícias

PORTUGAL É O 2.º PAÍS NO MUNDO COM PIOR AUDIÇÃO

Os países com pior audição são, por ordem decrescente, a Nova Zelândia, Portugal e a Bélgica, tendo em conta a capacidade de compreender uma pessoa, quando exista muito ruído de fundo, ou de ouvir devidamente alguém a falar num espaço relativamente silencioso. Estas são conclusões do índice de audição realizado no âmbito do “Coping with Noise”, um estudo recente lançado pela Amplifon, conduzido pela GfK Eurisko, onde foram ouvidas 8.800 pessoas, tendo por referência o índice de exposição ao ruído (ENPI) em 47 cidades de 11 países*

 

Com base na quantidade, na recorrência e na duração do barulho a que as pessoas estão expostas nas grandes urbes, foram identificadas várias correlações perigosas, desde logo as que se estabelecem entre o ruído e os distúrbios altamente debilitantes: 30% das pessoas expostas a elevados níveis de ruído indicaram perturbações de humor (irritabilidade, ansiedade, nervosismo), insónia ou dores de cabeça, enquanto as pessoas menos expostas ao barulho com os mesmos sintomas não superam os 16 por cento. 

“A exposição ao ruído pode prejudicar a audição, causando danos anatomofisiológicos no sistema auditivo, dependendo da intensidade e duração da exposição, e ainda da suscetibilidade de cada pessoa ao barulho. Esta condição pode levar a uma perda auditiva induzida pelo ruído e, por vezes, pode desencadear outros distúrbios auditivos como zumbidos e hiperacusia, ou seja, a intolerância a sons baixos ou moderados”, disse Celso Martins, diretor técnico da Amplifon. 

De acordo com o estudo “Coping with Noise”, o barulho do trânsito, as conversas entre pessoas, a música de fundo e os transportes públicos são, por esta ordem decrescente, as quatro maiores fontes de ruído à escala global, com Portugal e a Itália a partilharem o lugar cimeiro quando analisado o primeiro tópico (barulho do trânsito). Se considerarmos todas as variáveis, Portugal divide com a França e o Reino Unido o terceiro lugar do ranking dos países com maior índice de exposição ao ruído – cerca de 7 por cento da população está diretamente exposta –, superados apenas pela Itália (com um registo de 10 por cento) e EUA (16 por cento).

O consumo de álcool, o tabaco, a obesidade, a hipertensão, a diabetes e a hipercolesterolemia influem também negativamente na saúde auditiva. Do mesmo modo, os picos de som a que hoje nos sujeitamos quando decidimos ouvir música, seja na discoteca, no carro ou através de auriculares, devem-nos fazer pensar, evitando, tanto quanto possível, comportamentos de risco.

* EUA, Itália, Portugal, França, Reino Unido, Bél-gica, Espanha, Austrália, Holanda, Nova Zelândia e Alemanha


FONTE: Jornal de Saúde Pública (Março 2017)

10 Março 2017
Categoria Notícias
10 Março 2017
Categoria Notícias

Perda auditiva não diagnosticada pode aumentar isolamento social

Um estudo recente realizado pela Universidade de Columbia Britânica no Canadá (University of British Columbia, UBC), publicado na revista Ear and Hearing, revelou que a perda auditiva desconhecida e não tratada está associada a um aumento significante de risco de isolamento social, em especial em pessoas com idades compreendidas entre 60 e 69 anos de idade. 
10 Março 2017
Categoria Notícias
LER MAIS

Perda auditiva não diagnosticada pode aumentar isolamento social

Um estudo recente realizado pela Universidade de Columbia Britânica no Canadá (University of British Columbia, UBC), publicado na revista Ear and Hearing, revelou que a perda auditiva desconhecida e não tratada está associada a um aumento significante de risco de isolamento social, em especial em pessoas com idades compreendidas entre 60 e 69 anos de idade. 
Ler mais

Porque é que uma viagem nas alturas pode causar complicações à nossa audição?

As viagens de avião ocorrem em grandes altitudes, normalmente em torno dos 10.000 metros de altura. Convém assim recordar algumas leis da física: à medida que a altitude aumenta, a pressão do ar diminui. Ora, para evitar que os passageiros se sintam mal, as cabines dos aviões são pressurizadas como se estivéssemos a uma altitude equivalente aos 2.000 metros acima do nível do mar. Por causa da diminuição da pressão, a presença do oxigênio no ar diminui e os gases dentro do nosso corpo aumentam de volume. 
Ler mais

Músicos de orquestra também sofrem de problemas auditivos

Não são só os músicos de metal, rock e pop que se encontram em risco de contrair danos auditivos. Dois entre cinco músicos de orquestra também registam algum tipo de perda auditiva e três entre quatro deles sofrem de diferentes níveis de tinnitus, segundo apontou um estudo realizado recentemente numa das maiores orquestras sinfônicas da Noruega. 
Ler mais

Fadiga e má disposição são uma das consequências da falta de utilização de um aparelho auditivo

Fadiga severa e problemas relacionados com a disposição são comuns entre os que, registando perda auditiva, não utilizam um aparelho auditivo para os ajudar. Este é a principal aprendizagem que se pode retirar de um estudo realizado por pesquisadores do departamento auditivo e da ciência da fala da Universidade Vanderbilt, nos Estados Unidos da América.
Ler mais

Peso infantil pode estar relacionado com problemas auditivos e visuais

Recém-nascidos abaixo e acima do peso podem estar relacionados a problemas visuais e auditivos, quando atingimos a meia idade. Estes são alguns dos principais resultados de um estudo levado a cabo pelo Manchester Biomedical Research Centre, realizado por pesquisadores da University of Manchester, em Inglaterra. 
Ler mais

Descoberto o gene causador da otosclerose

Cientistas do Ear Institute at University College of London acabam de revelar um estudo que revela a descoberta do gene causador de otosclerose, o SERPINF1. Esta fantástica descoberta é mais um passo em direção ao tratamento desta doença, que causa frequentemente uma diminuição auditiva.

Ler mais

Melhor qualidade de vida para utilizadores de aparelhos auditivos

Pesquisas realizadas na Europa revelam que, na generalidade, a maioria dos utilizadores de aparelhos auditivos têm uma qualidade de vida melhor, face aos que, tendo problemas com a sua audição, não o utilizam. Este estudo revelou também que as pessoas que utilizam um aparelho auditivo tendem a ser menos depressivas, a fatigarem-se menos e a dormirem melhor do que aqueles que não o usam.
Ler mais

Intervenção precoce beneficia crianças com perda auditiva

O desenvolvimento da linguagem em crianças com perda auditiva melhora significativamente com uma intervenção precoce, segundo os resultados de um estudo conduzido por pesquisadores das University of Iowa e University of North Carolina at Chapel Hill, nos Estados Unidos da América.

Ler mais

Os tampões de cera, ao detalhe

O cerume é um óleo ceroso produzido pelas glândulas e folículos pilosos do canal auditivo. Mas ...  sabe porquê e onde se forma? Quando a cera é criada, acaba por se deslocar até à abertura do ouvido, onde é naturalmente limpa quando nos lavamos. 
Ler mais

Novos conhecimentos para a compreensão do tinnitus

Um estudo publicado na eLife, uma revista americana científica voltada para ciências da vida e biomédicas, revelou recentemente novas descobertas para o entendimento do tinnitus e da hiperacusia. 
Ler mais

Medicamentos podem causar deficiência auditiva

Certos tipos de fármacos à venda no mercado podem causar deficiência auditiva temporária ou permanentemente. Segundo a Americana Speech-Language-Hearing Association (ASHA), nos Estados Unidos da América foram identificados mais de 200 medicamentos causadores de diversos tipos de deficiências auditivas
Ler mais

A otite externa, conhecê-la a fundo

A otite externa, também conhecida como "ouvido de nadador", é a inflamação da pele do canal auditivo externo, que transporta os sons do exterior ao tímpano.
Ler mais