Como a perda de audição, ou hipoacusia, afeta a nossa vida

Além de ser necessária para o dia-a-dia, uma boa audição é essencial para a nossa atividade cerebral, uma vez que a perda de audição reduz a nossa capacidade de manter e recuperar informação.

Causas da perda auditiva
 

  • Idade. De acordo com estatísticas, mais de 40% da população portuguesa, com mais de 65 anos de idade, tem perdas auditivas.
  • Ruído: A exposição prolongada ao ruído pode causar perda auditiva.
  • Hereditariedade. Uma história familiar de perda auditiva, por causa do gene da conexina-26, é suscetível de ser herdada.
  • Infeções. Os vírus e as bactérias podem danificar o ouvido, tal como as otites não tratadas em crianças.
  • Otosclerose: afeta a mobilidade dos ossos do ouvido médio, reduzindo a eficiência da transmissão das vibrações.
  • Agentes "ototóxicos". Certas drogas, álcool e tabaco podem danificar o ouvido.
     

Consequências da hipoacusia

A hipoacusia separa o processo auditivo das funções cognitivas. Esta situação aumenta a possibilidade de uma demência precoce e pode causar consequências psicológicas, tais como dificuldade de concentração, baixa autoestima, medo de relacionamentos sociais, depressão ... e outras mais físicas, como por exemplo a dor de cabeça, a tensão muscular, o stress e a pressão arterial mais elevada.

Consequências sociais da perda auditiva

Não ouvir claramente cria uma barreira com as pessoas ao nosso redor. Não nos podem falar como antes nem nós conseguimos manter uma conversa com eles... situação que gera desconforto em ambas as partes. Incorporar uma solução auditiva ajuda a melhorar muitos aspetos:

  • Disfrutará de novo da sua visa social, voltando a participar em atividades de grupo, palestras, reuniões de família e amigos ...
  • Ao conseguir comunicar melhor, aumentará a sua segurança pessoal e autoestima
  • Restabelecerá funções sociais, emocionais e comunicativas
  • Ativará a tua atividade mental, com novas informações
  • Sentir-se-á melhor, aumentando a sua qualidade de vida global
     

Como detetar a perda auditiva em crianças

Sabe que uma em cada 1000 crianças nasce com uma perda auditiva congênita? As crianças começam a tentar falar ouvindo os sons, que promove o desenvolvimento da linguagem, a aprendizagem e a socialização. Portanto, sem qualquer dúvida, é vital realizar um diagnóstico precoce, em consulta com um otorrino, certificando-se de que, para além de ouvir, o faça bem.