estudo amplifon
10 Março 2017
Categoria Notícias

PORTUGAL É O 2.º PAÍS NO MUNDO COM PIOR AUDIÇÃO

Os países com pior audição são, por ordem decrescente, a Nova Zelândia, Portugal e a Bélgica, tendo em conta a capacidade de compreender uma pessoa, quando exista muito ruído de fundo, ou de ouvir devidamente alguém a falar num espaço relativamente silencioso. Estas são conclusões do índice de audição realizado no âmbito do “Coping with Noise”, um estudo recente lançado pela Amplifon, conduzido pela GfK Eurisko, onde foram ouvidas 8.800 pessoas, tendo por referência o índice de exposição ao ruído (ENPI) em 47 cidades de 11 países*

 

Com base na quantidade, na recorrência e na duração do barulho a que as pessoas estão expostas nas grandes urbes, foram identificadas várias correlações perigosas, desde logo as que se estabelecem entre o ruído e os distúrbios altamente debilitantes: 30% das pessoas expostas a elevados níveis de ruído indicaram perturbações de humor (irritabilidade, ansiedade, nervosismo), insónia ou dores de cabeça, enquanto as pessoas menos expostas ao barulho com os mesmos sintomas não superam os 16 por cento. 

“A exposição ao ruído pode prejudicar a audição, causando danos anatomofisiológicos no sistema auditivo, dependendo da intensidade e duração da exposição, e ainda da suscetibilidade de cada pessoa ao barulho. Esta condição pode levar a uma perda auditiva induzida pelo ruído e, por vezes, pode desencadear outros distúrbios auditivos como zumbidos e hiperacusia, ou seja, a intolerância a sons baixos ou moderados”, disse Celso Martins, diretor técnico da Amplifon. 

De acordo com o estudo “Coping with Noise”, o barulho do trânsito, as conversas entre pessoas, a música de fundo e os transportes públicos são, por esta ordem decrescente, as quatro maiores fontes de ruído à escala global, com Portugal e a Itália a partilharem o lugar cimeiro quando analisado o primeiro tópico (barulho do trânsito). Se considerarmos todas as variáveis, Portugal divide com a França e o Reino Unido o terceiro lugar do ranking dos países com maior índice de exposição ao ruído – cerca de 7 por cento da população está diretamente exposta –, superados apenas pela Itália (com um registo de 10 por cento) e EUA (16 por cento).

O consumo de álcool, o tabaco, a obesidade, a hipertensão, a diabetes e a hipercolesterolemia influem também negativamente na saúde auditiva. Do mesmo modo, os picos de som a que hoje nos sujeitamos quando decidimos ouvir música, seja na discoteca, no carro ou através de auriculares, devem-nos fazer pensar, evitando, tanto quanto possível, comportamentos de risco.

* EUA, Itália, Portugal, França, Reino Unido, Bél-gica, Espanha, Austrália, Holanda, Nova Zelândia e Alemanha


FONTE: Jornal de Saúde Pública (Março 2017)

10 Março 2017
Categoria Notícias
10 Março 2017
Categoria Notícias

Perda auditiva não diagnosticada pode aumentar isolamento social

Um estudo recente realizado pela Universidade de Columbia Britânica no Canadá (University of British Columbia, UBC), publicado na revista Ear and Hearing, revelou que a perda auditiva desconhecida e não tratada está associada a um aumento significante de risco de isolamento social, em especial em pessoas com idades compreendidas entre 60 e 69 anos de idade. 
10 Março 2017
Categoria Notícias
LER MAIS
Voltar

Os tampões de cera

 tampoes de cera amplifon
12 Agosto 2016
Categoria Notícias

Os tampões de cera, ao detalhe

O cerume é um óleo ceroso produzido pelas glândulas e folículos pilosos do canal auditivo. Mas ...  sabe porquê e onde se forma? Quando a cera é criada, acaba por se deslocar até à abertura do ouvido, onde é naturalmente limpa quando nos lavamos. 

O objetivo desta cera é proteger o canal do ouvido de danos causados pela água, corpos estranhos, pancadas, infeções... A sua presença é necessária, mas se se acumula pode bloquear o canal e causar desconforto e perda auditiva.

Como é que que o cerume protege o canal do ouvido?

  • Intercetando e impedindo a entrada de poeira, de bactérias, de micro-organismos e outros pequenos objetos que possam danificar o ouvido.
  • Protegendo a pele para evitar a sua irritação se entrar água.
     

Causas do excesso de cera

Sem que se saiba exatamente o motivo, as glândulas de algumas pessoas produzem mais cera do que aquela que pode ser eliminada pelo processo natural, mas também porque, por vezes, ela volta a entrar no canal auditivo, por exemplo, se entrar água no ouvido.

Quando a cera endurece no canal é criado um tampão que bloqueia o ouvido e, ao querer eliminá-lo, acabamos por empurrá-lo ainda mais para dentro.
No entanto, a causa mais comum é a presença de um corpo estranho no canal auditivo, tal como acontece com o algodão dos cotonetes.

Que sintomas produzem os tampões de cera?

  • Mais que sintomas, os tampões de cera causam desconforto:
  • Falta de audição progressiva
  • Ruídos nos ouvidos, tinnitus e acufenos
  • Dor de ouvidos
  • Sensação de ter o ouvido cheio ou tapado
  • Tonturas

Casos em que é recomendado remover a cera do ouvido

  • Quando se produzem sintomas como dor e a perda de audição.
  • Se for necessário examinar o ouvido e a cera estiver a impedir
  • Se não houver sintomas não é necessário remover a cera, pois ela protege o ouvido e é eliminada naturalmente.

Tratamento para os tampões dos ouvidos

Os tampões de cera são diagnosticados com a utilização de um otoscópio. Para eliminá-los, realizam-se os seguintes passos:

  • O seu especialista em otorrinolaringologia irá indicar-lhe como suavizar o tampão, com óleo normal, glicerina ou gotas específicas.
  • Introduzir a água no canal do ouvido com a ajuda de uma seringa e mover a cabeça para drenar a água. Com o otoscópio, verifique se o tampão está fora do canal auditivo e o tímpano está intacto.
  • Após a remoção da cera, deve secar o ouvido. Também pode deitar gotas de álcool bórico para ajudar a secar a água.
  • Se o tampão for muito duro, o especialista irá remove-lo com pinças e a ajuda de um microscópio. 
  • Em geral, se houver dor de ouvido, a remoção da cera do ouvido deve ser realizada com a visualização microscópica e manipulação instrumental, para evitar danos com água no tímpano, que pode ser inflamado.

Podemos prevenir que se formem?

  • Tente não utilizar cotonetes ou outros objetos para limpar o canal auditivo. Basta molhá-lo no chuveiro e limpar o ouvido.
  • Em pessoas propensas à formação de tampões de cera, o profissional de saúde pode aconselhar a aplicação de uma preparação ou extrair a cera a cada 6 ou 12 meses. 

 

Fontes
http://www.familiaysalud.es/vivimos-sanos/higiene-y-sueno/cera-en-el-oido;Armstrong C. Diagnosis and management cerumen impaction.Am Fam Physician;House JC, Lee DJ. Topical therapies of external ear disorders. In: Cummings CW, Flint PW, Haughey BH, et al, eds.Otolaryngology: Head & Neck Surgery;O'Handley JG, Tobin EJ, Shah AR. Otorhinolaryngology. In: Rakel RE, ed.Textbook of Family Medicine;Riviello RJ. Otolaryngologic procedures. In: Roberts JR, Hedges JR, eds.Clinical Procedures in Emergency Medicine;

12 Agosto 2016
Categoria Notícias